Vale como mestrado

Programa americano é referência na formação de professores, mas ainda enfrenta a dificuldade de ser para poucos

SHARE
, / 914 0






Ao redor do mundo, não são muitos os que enxergam a necessidade de colocar o estudante de pedagogia ou licenciatura na sala de aula. Austrália, Coreia do Sul, França, Grécia, Reino Unido, Japão e Suíça são os países onde a prática faz parte das diretrizes curriculares. O uso do nome “residência”, no entanto, surgiu nos Estados Unidos, no início da década de 2000. Frente à evasão de quase metade dos professores nos três primeiros anos de carreira, programas pioneiros nas cidades de Boston, Chicago e Denver foram criados para gerar uma nova leva de profissionais mais bem preparados para a sala de aula.


A diferença é que, por lá, o programa é direcionado a qualquer profissional que deseje se tornar professor, não importa o que tenha feito na graduação. O curso é realizado em apenas um ano e tem valor de mestrado – a vantagem é que, com o título, os salários aumentam bastante no início da carreira.
#R#
A seleção é rigorosa. No Boston Teacher Residency (BTR), por exemplo, apenas 12% dos candidatos são aprovados para ingressar no programa. Em compensação, 80% dos formandos mantêm-se nas escolas pelos primeiros três anos. Aqui existe um segredo: o empréstimo recebido durante o programa precisa ser pago de volta somente se o ex-aluno deixar as escolas da cidade  em um período que varia entre três e quatro anos. Atualmente são 25 programas em 20 cidades. Pelo custo alto, os programas formam de 50 a 85 alunos por ano. O de Chicago quer aumentar para 200. Ainda assim, são números pequenos. Conseguir financiamento é um dos grandes desafios: em geral, é uma combinação de fundos públicos e privados. “Além disso, nos esforçamos para colocar os formandos em escolas públicas da nossa cidade, de modo que eles tenham um bom suporte e tornem-se bem-sucedidos no primeiro ano de sala de aula”, diz Melanie Winklosky, diretora de desenvolvimento do programa de Boston.


A preocupação de manter os professores bem assessorados ocorre também, naturalmente, durante a residência. Para garantir que os chamados “professores mentores”, provenientes das escolas públicas, estejam alinhados com o programa, o BTR trabalha com apenas cinco instituições. Existem ainda profissionais designados apenas para treinar e assistir os mentores durante o processo. 


No Brasil, o colégio federal Pedro II, no Rio de Janeiro, que figura entre os melhores do país, adota modelo parecido com o da residência norte-americana. Porém é voltado apenas a professores recém-formados de escolas com mau desempenho no Ideb.


A carga horária é de 420 horas, divididas entre atividades em sala de aula, em setores administrativo-pedagógicos, como laboratório e biblioteca, e atividades de formação continuada, como oficinas e congressos. Os residentes recebem uma bolsa de R$ 400 mensais, financiada pela Capes. A residência, no entanto, não equivale a uma pós-graduação, como a dos Estados Unidos.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN