Esquecer

O que marca o nascimento de um educador é ter olhos para ver o que nunca se viu

SHARE
, / 716 0

Era uma menina de nove anos. Caminhava segura à minha frente. O diretor da Escola da Ponte lhe pedira que mostrasse e explicasse a escola. Fiquei ofendido. Esperava que ele, diretor, me respeitasse como visitante estrangeiro e me mostrasse e explicasse a sua escola. ´

Chegando à porta da escola ela parou, deu meia volta, olhou-me nos olhos e me disse: “Para o senhor entender a nossa escola o senhor terá de se esquecer de tudo o que o senhor sabe sobre escolas…”. Decididamente ela se dirigia a mim de uma forma petulante. Então eu, um educador velho que tenho a estar a pensar sobre as escolas desde menino, com a cabeça cheia de livros, teorias e experiências, deveria esquecer-me do que sabia? A menina estava certa. Meu espanto era sinal de que ela acabara de me aplicar um “koan” – um artifício pedagógico dos mestres Zen.

Para aprender coisas novas é preciso esquecer as velhas. O que sabemos torna-se hábito de ver e de pensar que nos faz ver o novo através dos óculos do velho – e o transforma no que sempre vimos, e tudo continua do jeito como sempre foi.

Roland Barthes, ao final de sua famosa Aula, disse que naquele momento de sua vida se dedicava a desaprender o que havia aprendido para aprender o que não havia aprendido. Não havia aprendido porque a memória do sabido havia bloqueado a aprendizagem. “Empreendo, pois, o deixar-me levar pela força de toda a vida viva: o esquecimento. Vem agora a idade de desaprender, de deixar trabalhar o remanejamento imprevisível que o esquecimento impõe à sedimentação dos saberes, das culturas, das crenças que atravessamos…”

Para entendê-lo, é preciso que você ponha seus saberes entre parêntesis, que veja o mundo pela primeira vez, como sugeriu Alberto Caeiro. Se não fizer isso, a leitura será inútil. Você continuará a ver o mundo velho que já conhecia. Para um pássaro engaiolado o mundo tem barras…

A psicanálise é uma pedagogia do esquecimento. Freud percebeu que as pessoas, por causa da memória, ficam prisioneiras do passado. Os neuróticos repetem o passado. Sua memória é a sua teoria do futuro. O presente e o futuro são como minha memória diz. Por isso são incapazes de ver o novo.  “Uma cobra que não pode livrar-se de sua casca perece. O mesmo acontece com aqueles espíritos que são impedidos de mudar suas opiniões; cessam de ser espírito.” (Nietzsche)

Os mestres Zen eram mestres de um tipo estranho: não tinham saber algum para ensinar aos seus discípulos. Sua atividade pedagógica se resumia em passar rasteiras nos saberes que seus discípulos traziam consigo. ( Se há “construtivismo”, os mestres Zen eram “desconstrutivistas”… ). Eles perceberam que os saberes que pensamos são semelhantes à “catarata”: uma nuvem que obscurece os olhos. Para operar a catarata dos seus discípulos,  se valiam dos “koans”. Um “koan” é uma afirmação que “desconstrói” o nosso saber como um terremoto derruba uma casa. Quando a nuvem de pretenso saber é retirada, o discípulo vê o que nunca havia visto. Experimenta o “satori”, a iluminação.

Quando a menina me disse que eu tinha de me esquecer do que sabia sobre escolas ela me aplicou um “koan”. E passei a ver as escolas como nunca havia visto.

Esse é o evento que marca o nascimento de um educador: olhos novos para ver o que nunca se viu.



Rubem Alves – Educador e escritor –



rubem_alves@uol.com.br

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN