Efeito secular

Pesquisa revela que a emissão de gás metano, um dos maiores responsáveis pelo efeito estufa e aumento da temperatura terrestre, remete ao início da Era Cristã

SHARE
, / 997 0






A descoberta de uma grande emissão de gás metano durante os primeiros dois séculos da Era Cristã surpreendeu a comunidade científica. O estudo, realizado por pesquisadores europeus e americanos e divulgado no final de 2012, constatou a elevada presença do gás ao analisar partículas de bolhas de ar coletadas em profundas camadas de gelo da Groenlândia. A revelação contradiz a crença vigente até então entre os cientistas de que os altos índices de emissão de gás metano causados por ações do homem tiveram início somente a partir da Revolução Industrial, impulsionados pela queima de combustíveis fósseis. O metano é um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa e o aumento da temperatura da Terra.


A autora principal do estudo, Celia Sapart, da Universidade de Utrecht, na Holanda, relaciona o período dessa alta emissão de metano na atmosfera com o auge do desenvolvimento do Império Romano e da dinastia Han, na China, ocorrido entre os anos 1º e 200 d.C. Uma das hipóteses, segundo a pesquisadora, seria o desmatamento realizado para expandir o plantio agrícola de ambos os impérios e o uso de carvão como combustível para fundir metal no processo de fabricação de armas. A tese ganha força após as análises constatarem que houve uma grande redução no nível de metano expelido na atmosfera a partir do ano 200 d.C, período que coincide com o declínio do Império Romano na Europa e a queda da dinastia Han, na China.
#R#
Apesar de o estudo comprovar a significativa emissão de metano nos primeiros 200 anos da Era Cristã, o volume calculado nem de perto se compara com o que passou a ser emitido desde 1800 até os dias atuais. Sapart estima que até 1800 as emissões de metano representaram 10% do total dos últimos dois mil anos, enquanto 90% ocorreram depois da Revolução Industrial.


A mão do homem
O gás metano é gerado por fontes humanas e naturais. Entre as fontes naturais estão os pântanos e os vulcões; e entre as causadas pelo homem estão a queima de florestas, de resíduos agrícolas e de combustíveis fósseis, as plantações de arroz irrigado, a pecuária, e os dejetos humanos e animais. As emissões constatadas pela equipe da pesquisadora Celia Sapart ao analisar o gelo da Groenlândia, embora significativas para a época, eram minúsculas se comparadas com as que ocorrem atualmente, alavancadas pelo aumento populacional. Se há dois mil anos a população mundial era estimada em 300 milhões, hoje se aproxima de sete bilhões.


A preocupação com o gás metano é relativamente recente e deve-se ao fato de ele absorver até 23 vezes mais raios infravermelhos – responsáveis pelo efeito estufa – do que, por exemplo, o dióxido de carbono, o grande vilão até então. Na matemática dos gases que contribuem para as alterações climáticas ocasionadas pelo aquecimento da Terra, o dióxido de carbono (CO2) lidera a ingrata conta, com 60% do total dos gases estufa, seguido pelo metano (15%), o CFCs (12%), o ozônio (8%), e o óxido nitroso (5%).


Após um período de estabilidade de quase duas décadas na relação entre o metano emitido e o destruído naturalmente na atmosfera, os índices de emissão dispararam desde 2007, segundo estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e publicado na Geophysical Review Letters. Os pesquisadores Matthew Rigby e Ronald Prinn apontam que o desequilíbrio já produziu vários milhões de toneladas adicionais de metano no planeta. Entender as razões desse aumento e se elas são circunstanciais ou não, ainda é um desafio para os cientistas.


Transformação do metano
Um projeto desenvolvido pela Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP) utiliza um sistema de biofiltros para diminuir a quantidade de gás metano (CH4) lançado na atmosfera. A experiência está sendo feita no aterro sanitário de Campinas, distante cerca 85 quilômetros da capital paulista. Os técnicos usam uma cobertura de bactérias no aterro que filtra o metano produzido pelo lixo, transformando o gás em água e gás carbônico. Este processo biológico de oxidação do metano tem potencial de diminuir em até 50% a emissão do gás causador do efeito estufa. Além do aterro em Campinas, o projeto já foi desenvolvido em Caxias do Sul (RS) e começa a atrair o interesse de outras cidades. Entretanto, ainda não há previsão para uma larga difusão do biofiltro.


Concomitantemente ao uso do biofiltro, outro método conhecido e ainda pouco utilizado é a captação do metano dos aterros sanitários para utilizá-lo na geração de energia. Em março, durante seminário realizado no Rio de Janeiro para lançamento do Atlas Brasileiro de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e Potencial Energético na Destinação de Resíduos Sólidos, Christopher Godlove, coordenador de projetos da Environmental Protection Agency (EPA), disse que há mais de 1.100 projetos de aproveitamento de biogás de aterro sanitário no mundo – 600 somente nos Estados Unidos, sendo que mais de 250 com o objetivo de gerar energia elétrica. Os projetos têm porte médio de 4 MW, mas podem variar de 500 kW a 40 MW.


Controle pela alimentação
Proporcionar uma dieta mais balanceada aos ruminantes é uma das linhas de pesquisa em desenvolvimento com fins de diminuir a emissão de metano dos animais. Desde 2010, em Piracicaba (SP), no Centro de Energia Nuclear na Agricultura, da Universidade de São Paulo (Cena-USP), animais ovinos ficam confinados por cerca de 20 horas em câmaras revestidas por uma lona plástica, recebendo uma alimentação balanceada e tendo sua emissão de gases controlada.


Adibe Luiz Abdalla, coordenador do Laboratório de Nutrição Animal (Lana) do Cena/USP, acredita que será possível definir uma alimentação balanceada nas pastagens e, assim, reduzir ao máximo a emissão de metano, não só por meio da flatulência e fermentação entérica, mas também pelos dejetos dos animais. Para isso, o uso do tanino na eliminação dos radicais livres no processo digestivo do animal e, consequentemente, a produção e emissão de metano, pode ser o caminho. Algumas plantas taniníferas já estão nas pastagens, como as mucunas pretas, a leucena e acácias.


Segundo o pesquisador, os animais naturalmente já procuram as leucenas e as mucunas. Já no caso da sansão-do-campo e das acácias, ainda está sendo estudada a melhor maneira de utilizá-las na alimentação dos ruminantes. Todavia, já se sabe que se houver a substituição do feno comum de tifton por 20% de uma planta taninífera, ocorre redução de 3% a 7% de emissão de metano por parte do ovino. Em alguns casos, a redução chegou a 35%.


O caso do brasil
Estudos indicam que cerca de 60% da emissão de metano na atmosfera terrestre é causada pela ação humana – o que os cientistas chamam de fonte antrópica. E de todas as fontes antrópicas, a mais poluente é a pecuária, responsável por 22% do total, seguida pelo cultivo de arroz irrigado (16%), e a queima de combustíveis fósseis (15%). Ao todo, são 375 milhões de toneladas/ano de metano lançadas na atmosfera pela atividade humana.


No Brasil, a parcela de culpa da pecuária no total de metano emitido no país alcança incríveis 69%. O Brasil tem o maior rebanho comercial do mundo, com 185 milhões de cabeças. A emissão do gás pelo rebanho bovino é causada pelo processo digestivo do animal, conhecido como fermentação entérica, característica de animais ruminantes (bovinos, bubalinos, ovinos e caprinos). O metano acaba sendo um subproduto deste processo digestivo, liberado para a atmosfera através da flatulência e eructação dos animais.    


O modo como os animais liberam o gás faz com que o assunto seja, com frequência, tratado com certa ironia, apesar da importância e seriedade do tema. “A própria mídia, muitas vezes, faz piada sobre o assunto. O estímulo ao consumo de proteína animal é um crime contra o ecossistema. Deveria ser o contrário. Deveria haver um estímulo ao consumo de mais proteína vegetal”, defende o professor de biologia do Colégio Poliedro, Sérgio Luis Ferro.


Para a contrariedade do professor, a contínua expansão da pecuária no Brasil está diretamente relacionada ao desmatamento e queima das florestas, derrubadas para dar lugar à criação de gado. E são justamente o desmatamento e as queimadas, que nos estudos técnicos recebem a definição de “mudança de uso da terra”, o segundo maior responsável (14%) pela emissão de gás metano, causado pela ação humana, no Brasil.


Em nome do desenvolvimento econômico, o país parece ainda não ter tomado consciência do custo ambiental do desmatamento, das queimadas e da flatulência e eructação de seu enorme rebanho bovino – que parece piada, mas está longe ser. 







Poder estufa

O efeito estufa é um processo natural que possibilita manter parte do calor irradiado pela Terra na atmosfera. Não fosse este efeito e a temperatura na superfície do planeta seria, à sombra, de – 4° C. Entretanto, a partir da industrialização e do aumento nas atividades agrícolas e pecuárias, o acúmulo atmosférico de gases do efeito estufa passou a causar um rápido aumento das temperaturas médias terrestres. Os cientistas divergem quanto aos prognósticos futuros, mas muitos creem que, se a taxa atual de aumento de gases do efeito estufa no planeta continuar pelo próximo século, as temperaturas médias globais poderão subir até 0,8 ° C por década. Se isto se concretizar, a temperatura da Terra poderá ficar 3,5 ° C mais quente do que é hoje, um aumento suficiente para causar drásticas e graves consequências em escala global.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN