De olho na saúde

BOAS PRÁTICAS | Edição 199 Estudantes de medicina da Unoeste aplicam exames oftalmológicos em alunos da rede pública de ensino por Juliana Duarte A …

SHARE
, / 604 0

BOAS PRÁTICAS | Edição 199

Estudantes de medicina da Unoeste aplicam exames oftalmológicos em alunos da rede pública de ensino

por Juliana Duarte

Divulgação

Estudantes de medicina realizam gratuitamente testes oftalmológicos em crianças da rede pública

A Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) não faz vista grossa para uma questão que afeta muitos estudantes: os problemas ligados à visão. A instituição aderiu ao projeto “Saúde Visual do Escolar”, mantido pelo Banco de Olhos da Santa Casa de Presidente Prudente (SP), e desde então os estudantes do curso de medicina estão realizando testes de acuidade visual em alunos matriculados no 6º ano do ensino fundamental de escolas estaduais.

Todo o procedimento é gratuito e inclui a doação de óculos para as crianças. “Nesse projeto, trabalhamos com a tríade ensino, pesquisa e extensão. Os participantes se sentem estimulados a fazer produções científicas”, afirma a pró-reitora Angelita Oliveira Lima.

Realizados nas escolas durante o período letivo, os testes já beneficiaram mais de 12 mil jovens. Destes, cerca de 2 mil foram encaminhados para o Centro de Oftalmologia da Santa Casa para receber atendimento especializado ou passar por cirurgias. Como os atendimentos são agendados coletivamente, os pais elogiam a atenção recebida. “Eles ficam surpresos com a agilidade, pois não há esperas longas”, diz Angelita.

Uma dificuldade que surgiu durante a implantação do projeto foi a arrecadação dos materiais necessários para os exames. A estratégia da instituição consistiu em promover reuniões com empresas e representantes da comunidade para angariar doações. “Firmamos parcerias com instituições locais, que viabilizaram a iniciativa. Uma delas é o Lions Clube Cinquentenário, responsável pela distribuição dos óculos”, comenta a pró-reitora.

Outro problema foi a falta de experiência prática dos estudantes. De acordo com a pró-reitora, essa situação tem sido contornada com oficinas frequentes de avaliação, treinamento e capacitação, que envolvem futuros médicos e professores. Novas turmas com 700 alunos, em média, são convidadas a participar da iniciativa a cada semestre. “Temos um retorno muito positivo. Eles saem da universidade com uma experiência mais sólida”, explica Angelita.

Os próximos passos do projeto, segundo ela, são ampliar a capacidade de atendimento e fomentar a realização de pesquisas científicas no setor.

Raio X

Adesão ao projeto “Saúde Visual do Escolar”

Número de alunos: 16,5 mil
Número de professores: 805
Demais funcionários: 1.104
Campi: 2
Dificuldades de implantação: falta de materiais e de universitários experientes
Ações: realização de testes de acuidade visual em crianças da rede estadual
Resultados: mais de 12 mil atendimentos realizados

 

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN