Especialização em correção de rota

Mudanças no tradicional programa de MBA de Harvard adianta reflexão a respeito do modelo da especialização oferecida pelas instituições no Brasil

SHARE
, / 637 0

Com mais atividades práticas e atenção aos mercados emergentes, mudança no tradicional programa de MBA de Harvard adianta reflexão a respeito do modelo da especialização oferecida no Brasil

por Yolanda Drumon

 

174_36As implicações da crise financeira, iniciada nos Estados Unidos, foram além de abalos às estruturas econômicas e de liderança mundial do império norte-americano. Os efeitos da crise despertaram a necessidade de uma revisão de conceitos da economia e de mercado e, consequentemente, dos ensinamentos aos gestores que atuam nesse novo cenário global de maior participação dos países emergentes. Adaptada à realidade brasileira, a mudança nas escolas de negócios não tarda a chegar por aqui.

A correção de rumo foi capitaneada pela Universidade Harvard, que forma em 2013 a primeira turma depois de operar uma forte revisão curricular na especialização, a qual determinou mais tempo para atividades práticas e experiências reais de gestão em detrimento dos estudos de caso, obrigatória vivência internacional para contato direto com outros mercados e maior integração entre alunos e de alunos com o professor.

Na opinião de Luiz Edmundo Rosa, diretor acadêmico da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), as críticas dirigidas à maneira de ensinar MBA, com viés estritamente financeiro e desconsiderando as perspectivas econômica e social, foram determinantes para o processo de mudança. “Muitos profissionais que estavam à frente das instituições financeiras ou que atuavam como representantes governamentais tinham feito curso de negócios e foram responsabilizados pela crise de 2008. Segundo a opinião pública, eles conduziram o problema a partir de uma perspectiva financeira isolada, fazendo com que o efeito se tornasse global, afetando inclusive a Europa”, lembra Rosa. Houve então uma crise de confiança em relação à qualidade dos MBAs nos Estados Unidos e a discussão ganhou o mundo.

“Hoje o mundo é global. Os negócios não estão concentrados em locais, regiões ou nações. E países como o Brasil terão uma fatia cada vez maior do PIB mundial. Consequentemente, o mercado brasileiro das escolas de negócio deve crescer”, aponta David Garvin, professor da Universidade Harvard e autor do livro Rethinking the MBA.

Realidade brasileira
Os cenários brasileiro e internacional são diferentes. No exterior, principalmente nos Estados Unidos, os alunos costumam se dedicar integralmente aos estudos e saem para o mercado somente após concluir o curso.

Já no Brasil não existe MBA full time, sinaliza Armando Dal Colletto, diretor da Business School São Paulo (BSP) e da Associação Nacional de MBA (Anamba), porque na maioria das vezes os alunos já possuem uma carreira paralela aos estudos. “A contribuição dos alunos é parte importante do curso, pois traz dose de prática às aulas”, defende Dal Colletto.

Para Luiz Edmundo Rosa é preciso ainda ir além das questões práticas na construção do programa de MBA e aumentar o enfoque na área de humanas. Nesse sentido, o dirigente da ABRH acredita que os cursos no Brasil ainda estão no modelo antigo, pois não focam o tema “gente”. Isso fica mais nítido quando se observa que as matérias de humanas são o apêndice do curso. “Estamos na era do conhecimento, temos de olhar holisticamente as empresas.

Não podemos usar apenas uma visão financeira e de marketing, é necessária uma formação mais equilibrada”, recomenda. “Os cursos estão se esforçando, mas ainda estamos distantes de atender à real necessidade de mercado”, acrescenta.

Se, por um lado, o cenário de efervescência dos cursos de MBA no país permitiu o crescimento desse mercado, em contrapartida a popularização da especialização se tornou um dos fatores prejudiciais à própria marca, com o uso indiscriminado da sigla e o surgimento de cursos que não seguem um padrão de referência mínimo e, assim, desvirtuam seu principal propósito. “O MBA tem de abordar a administração de empresas passando por gestão, estratégias de finanças, recursos humanos, tecnologia da informação e governança corporativa, entre outros assuntos”, enumera Maurício Queiroz, diretor-geral da Fundação Instituto de Administração (FIA). Ele lamenta que ultimamente o conceito do curso tenha se perdido e o Master of Business Administration esteja mais para uma “marca-fantasia”.

Falta padronização
Um dos agravantes para a inexistência de um padrão para os MBAs é que o Ministério da Educação não se responsabiliza pela regulação dos cursos de negócio no Brasil, que são classificados como especialização lato sensu e, portanto, independem de autorização e reconhecimento do MEC para serem ministrados. Para preencher essa lacuna e construir uma regulamentação mínima para o mercado de cursos de MBA, a Anamba criou duas classificações padrões: Brasil e Global.

De acordo com Silvio Laban, coordenador de MBA do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, o selo da Anamba serve para atestar a qualidade dos cursos e é uma alternativa às certificações internacionais que têm custos muito altos. “Essas marcas carimbam os MBAs de maneira tropicalizada e consultas informais em algumas escolas mostram que o processo de certificação tem sido bem aceito”, relata Laban. Para ele, ganhos dessa padronização são mais bem vistos quanto à questão da carga horária mais flexível. “Contudo, o processo para a acreditação é trabalhoso, pois inclui envio de relatórios por parte da escola e recepção para visitas da Anamba, entre outras ações”, alerta.

Já Fernando Serra, diretor acadêmico da HSM Educação, observa que tal credenciamento, embora positivo, não atenta para a possibilidade de melhora da instituição de ensino envolvida. “É preciso rever também a metodologia, já que o MBA tem de focar a pessoa e, para isso, é fundamental mapear tendências comportamentais do executivo. Isso se obtém com um treinamento personalizado que identifique desafios profissionais e os concilie com a vida pessoal”, afirma.

Rosa, da ABRH, concorda com a necessidade de ir além da acreditação. Para ele, além de assumir um compromisso real com a carreira e a vida do indivíduo, os cursos de negócios têm de ensinar como fazer e como pensar, oferecer ferramentas e principalmente enriquecimento intelectual, conciliar visão pragmática com aspectos intangíveis – imagem e cultura de uma instituição, por exemplo –, analisar ações que impactam toda a cadeia que engloba um negócio.

Tendência de expansão
O e-learning é uma nova fronteira para os cursos de MBA no mundo. “No exterior, há excelentes cursos nesse modelo”, afirma Armando Dal Colletto. No Brasil, o modelo que desponta é o híbrido, que mistura atividades on-line e presenciais.

A possibilidade de implementar um curso completamente virtual é desaconselhada pelo diretor da Anamba. “O brasileiro gosta de contato, da troca. Escola boa oferece bom networking, com gente trabalhando em cargos e empresas importantes. Esse é um dos grandes trunfos do MBA”, acrescenta Dal Colletto.

Na opinião dos especialistas, o mercado de MBA caminha para uma futura divisão dos cursos entre “insipientes” – cursos mais acessíveis, mas sem credenciamento e sem uma boa rede de contatos –, e os “de qualidade” – com carga horária mais parruda, professores renomados, credenciados e conectados com ideias de inovação e sustentabilidade.

Além disso, a percepção entre os analistas é que os tradicionais mercados de MBAs do Rio de Janeiro e São Paulo sofrerão expansão para outras regiões do Brasil, para atender profissionais que não têm necessariamente formação em administração, como advogados, engenheiros e jornalistas, entre outros. A ideia é que tais profissões demandarão cada vez mais conhecimentos gerenciais.

O que um bom curso de negócios precisa oferecer
 • Conteúdos que contemplem o aspecto funcional da empresa, preparando o aluno para adquirir visão sistêmica de seu trabalho;• Carga horária adequada;• Iniciativas para desenvolver as características de um gestor, ou seja, ampliar conhecimentos de uma área para o todo;• Processo seletivo e corpo docente qualificado;• Materiais desenvolvidos de maneira organizada;• Investimento em infraestrutura;• Apoio a networking, mesmo após o término do MBA;• Possibilidade de experiência internacional;• Plano de aula debatido com a coordenação acadêmica.

 

Selo nacional
A Associação Nacional de MBA (Anamba) criou dois padrões para avaliar os cursos de negócios brasileiros. Conheça as características de cada selo e as regras que as instituições devem seguir para obter a certificação concedida pela entidade:• Padrão Brasil – destinado a profissionais com formação superior recém-concluída, o curso deve ter carga horária mínima de 360 horas/aula, sendo no máximo 20% no sistema de ensino a distância. O conteúdo trabalhado deve abordar ao menos 240 horas sobre temas relacionados à ética, sustentabilidade, finanças, operações, recursos humanos, comportamento organizacional, teoria da decisão, métodos quantitativos, tecnologia da informação, economia, marketing, liderança, comunicação e estratégia. Além disso, 50% do quadro docente deve ter qualificação na área da disciplina em que atua e ter autoria em publicações relevantes para o ambiente de negócios nos últimos cinco anos.• Padrão Global – tem foco nos profissionais graduados com experiência profissional de três anos que ocupem uma posição de liderança ou queiram atingi-la. Além da análise de currículo – típica do padrão Brasil – a seleção inclui avaliação de habilidades lógicas e quantitativas e interpretação de texto. A carga horária mínima é de 480 horas, com no máximo 20% em EAD e 320 horas devem incluir os mesmos temas do padrão Brasil. Todo corpo docente deve ter pós-graduação, sendo 70% com título de mestrado e/ou doutorado e, no mínimo, 20% de doutores em relação ao quadro geral. Além disso, 75% dos professores têm de ter qualificação profissional na área da disciplina que lecionam e trabalhos publicados.

 

Laboratório de negócios
A MIT Sloan School of Management (a escola de gestão do Instituto de Tecnologia de Massachusetts), há dez anos adota um programa de aprendizado mais prático para os seus alunos. A partir do MIT Global Entrepreneurship Laboratory (G-Lab) a instituição estabelece parcerias com empresas multissetoriais, de diversos portes e países, pelas quais os alunos dão suporte às companhias em projetos que tenham como viés a inovação. “O laboratório tem duas fases: a primeira refere-se ao trabalho remoto no campus e a segunda contempla visita de três semanas à empresa para dar os retornos”, diz Trond Undheim, professor de economia global e gestão do MIT. Segundo ele, tal projeto começa a ser executado intensamente no Brasil, Vietnã e Indonésia. A escolha do Brasil como um dos focos do G-Lab se deu por conta da crescente demanda dos negócios em solo nacional. “Consumidores e empresas cada vez mais sofisticados nos fizeram visualizar um movimento rápido de startups, que podem se beneficiar com as dicas de nossos alunos”, afirma Undheim.

 

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN